Início » Aulas » Aula 02 – Modularização e TAD

Aula 02 – Modularização e TAD

Olá Pessoal!

Uma característica legal da estrutura de dados com modularização é melhorar a segurança do seu aplicativo. Com modularização, o usuário só consegue operar as listas diretamente das operações criadas dentro do módulo. Ele não tem acesso à lista “em si”. Apenas à recuperação de valores da lista se a função permitir isso.

Vamos supor que eu queria deixar os meus dados mais seguros para qualquer um que for desenvolver um aplicativo usando meus dados, e quero que eles apenas recuperem dados, nunca alterem. Portanto, eu faço uma função “recupera” que retorna o elemento pro usuário, e se ele tentar substituir, não vai conseguir mudar nada na lista original.

Bom, chega de conversa, vamos ver na prática!

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=lKwEQgV6nZk]

É isso aí galera, se tiverem dúvidas, só comentar aí hein!

Até a próxima pessoal!


7 Comentários

  1. João disse:

    Muito boa a aula. Mas tem algo que não consigo intender que é o funcionamento e o uso da função criar_ponto, em principal porque ela começa com Ponto* ao invés de void, int, float…(exemplos). Há alguma aula que sua que pulei que você explica isso? Você poderia me explicar como usar esse tipo de função que tem como retorno ponteiros?

    • progrc disse:

      A idéia é a mesma usada no tipo FILE quando trabalhamos com arquivos. O tipo FILE é uma estrutura mas ele é sempre trabalhado como um ponteiro.
      Isso acontece por que o tipo FILE é um tipo opaco do ponto de vista dos usuários da biblioteca. Apenas a própria biblioteca conhece o conteúdo do tipo e consegue manipulá-lo. Basicamente, um tipo opaco representa uma forma de esconder os detalhes de sua implementação dos programadores que apenas farão uso do módulo ou biblioteca. Assim, os seus valores só podem ser acessados por funções específicas.

      Por meio dos tipos opacos, nossos programas utilizam uma biblioteca apenas através de ponteiros para os dados. Desse modo, o usuário possui apenas um ponteiro para onde os dados estão armazenados, mas não pode acessá-los diretamente. E os dados somente podem ser acessados através de funções. A única maneira de acessar o conteúdo do ponteiro FILE é por meio de das operações definidas em sua interface.

      • João disse:

        Muito obrigado professor! Alem de ser extremamente didático também responde as duvidas bem rápido. Continue assim! Vou continuar seguindo suas aulas que são de enorme ajuda.

  2. olá, em que aula você ensina a desenvolver as bibliotecas .c e .h? estou com um pouco de dificuldade de entender essa parte, e queria ver essas aulas, valeu

  3. Lucas disse:

    so tenho uma coisa pra dizer ah Esse Andre R. Backes.

    Parabens! voce realmente e entendido do assunto!

  4. Rafael disse:

    Olá! Eu também gostaria de saber como se cria um “arquivo.h” (arquivo ponto H). As aulas são muito boas! Mas tenho dificuldade nessa parte. Agradeço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: